Texas Selvagem - A. J. Teixeira. Com tecnologia do Blogger.

Pensamentos no SilvaTexas

29 de agosto de 2011

SERNADA DO VOUGA - MUNDO FERROVIÁRIO EM MINIATURA!

Frontaria da estação virada para o cais de embarque. Esta estação é
habitada e possui o único sítio onde se pode almoçar (o bar da mesma),
que - em dias de maior afluência - convem avisar, pois é prato único. 

Dresine de via métrica que irá aparecer noutra imagem.
O "el comandante" (j s trains), ilustre João Ribeiro da Silva,
vai começar com as suas explorações ferroviárias. 

Antiga automotora "Allan" mais o seu reboque, material de via métrica,
à porta das cocheiras que estão ocupadas com outro material.
Estão no estado que a foto mostra e que me dispenso de comentar...

À esquerda a composição que transportou o grupo desde a
Estação de Espinho-Vouga (aproximadamente hora e meia
de viagem) à velocidade louca (máxima) de 45 quilómetros/hora.

Frontaria do edifício onde funcionam as oficinas de manutenção da EMEF,
do material de via métrica.

Pormenor do reboque "Allan" que estava no exterior e cujo estado
não comento!

Quilómetro 0 (zero) do "Ramal de Aveiro"
Composição da série 9630 que se aproxima à saída da  ponte
rodoferroviária e que é objeto do "flash" do outro elemento
do trio, o filosofo (cantinho dos comboios), o ilustre
Luís Miguel Meireles.

Vista plena da ponte rodoferroviária sobre a praia fluvial do rio Vouga.
à entrada e à saida existem semáforos para regular o trânsito automóvel,
visto que é elementar "veículos sobre carris têm prioridade".

Como se encontrava à espera que a composição chegasse, aí vai a
dresine iniciando a sua marcha, com a atravessia da ponte. Para
trás fica Sernada.


O edifício dos antigos dormitórios. Atenção que quer as portas,
quer as janelas são a fingir.

Esta composição estava aparcada em linha de topo e que (salvo
erro da minha parte) era o início da Linha do Vale do Vouga,
para Viseu.
Agradeço que se estiver errado me corrijam!

Edifício "lamparista". Será casa das lâmpadas? ou das lamparinas?

Encostado ao edifício dos antigos dormitórios, temos as "retretes" instaladas
nim edifício que ainda lembra, um pouco, um pagode chinês.
Tive a aoportunidade de o utilizar e constatei a sua higiene, pelo que
louvo a pessoa incubida de tal. 

Frontaria exterior da estação que se situa...a placa indica.
Peço ao proprietário do veículo que me desculpe a
ousadia, pois encontra-se a mais na foto.

Azulejos que recordam o passado e colocados num dos vários
fontanários existentes.

O outro painel de azulejos colocado no mesmo fontanário e que
relembra a passagem das "vaporosas" pela ponte rodoferroviária
ainda ao serviço.

Aparelho de mudança de agulha pronto a funcionar.

Perspetiva da ponte sobre o rio Vouga.

Linha de topo...e eis que algo se aproxima!

Verifiquem o semáforo vermelho por via da composição
ferroviária que está a dar entrada na estação, saindo da ponte.

O camarada filósofo está pronto...a enfrentar a fera.

Claro que tinha de ser...depois do carapau frito e do "tintinho especial"
foste apanhado, amigo Luís... e com ele na boca.

É feio espreitar, amigo comandante...

No regresso, o grupo viajou a bordo da composição com o número  9636.

Dentro da composição, já de regresso, e encima da ponte vista da
praia fluvial, com frequentadores.


* "SERNADA DO VOUGA" é uma pequena localidade da freguesia de Macinhata do Vouga, concelho de Águeda e distrito de Aveiro. Tem como orago o Santo Amaro que é o padroeiro dos ferroviários.
* Situa-se a poucos metros, a jusante, da foz do rio Caima e é banhada pelo rio Vouga.
* No início do século XX foi construida a Linha do Vale do Vouga e o seu ramal (de Aveiro), tornando-se local de interligação para Espinho, Aveiro e Viseu.A partir daí a terra esteve sempre ligada à atividade ferroviária.
* Com a desativação, em Janeiro de 1990, da ligação Sernada-Viseu, perdeu parte da sua relevância ferroviária de então. Nesta localidade, mantêm-se as oficinas da "EMEF" (empresa de manutenção do equipamento ferroviário), responsáveis pela manutenção do material circulante de via métrica.
* Possui a única ponte rodoferroviária de um só tabuleiro, em Portugal; isto é, o tabuleiro é compartilhado pela rodovia e pela ferrovia, sendo que à passagem de alguma composição são acionados os semáforos que existem no início e no fim da ponte, fazendo com que o trânsito automóvel páre e que é sobre o Rio Vouga. A ponte sobre o Rio Caima é uma ponte reconvertida da linha do Vale do Vouga (para Viseu), onde a largura da via é reduzida impossibilitando a passagem de veículos pesados ou de largura superior à normal dos ligeiros.
* São dignos de visita vários fontanários, destacando-se o que se encontra no largo principal (o Largo da Estação), assim como a praia fluvial e a área de pesca desportiva.

Gondomar, por "texasselvagem" aos 29.Agosto.2011.

1 comentários:

Luis 30 de agosto de 2011 às 21:19  

Caro amigo, Ilustre entusiasta , Caro chefe dos alfas,

Aproveito para lhe dar os parabéns pelas boas fotografias e pelas excelentes fotos de mais um dia que ficara para sempre nas nossas memorias !! Obrigado pela sua preciosa companhia e amizade.

Abraço

Luís

Formulário de Contacto:
Preencha os campos abaixo para entrar em contacto comigo.
Não se esqueça do seu e-mail para eu responder, se for necessário.
Os campos marcados com * são obrigatórios.



Nome*:

máximo de 50 caracteres
E-mail para contacto*:

máximo de 200 caracteres
Assunto (motivo do contacto):

máximo de 100 caracteres
Mensagem*:

O seu contacto é muito importante.
Agora, basta clicar em "ENVIAR" para eu receber a sua mensagem.

Related Posts with Thumbnails

Estações com paragem

  ©Template by Dicas Blogger